Quinta-feira, 16 de Maio de 2013

OS CONDENADOS DE SHAWSHANK

 

Ele vos julgará e mais depressa do que pensais.

 

 

 

If I didn't care

 

 

If I didn't care more than words can say

If I didn't care would I feel this way?

If this isn't love then why do I thrill?

And what makes my head go round and round

While my heart stands still?

 

If I didn't care would it be the same?

Would my every prayer begin and end with just your name?

And could I be sure that this is love beyond compare?

Would all this be true if I didn't care for you?

If I didn't care

 

I Know there is time

I know there is time

I know there is time

I know there is time

 

If I didn't care

More than words can say

If I didn't care would I feel this way?

And what makes my head go round and round

While my heart stands still?

 

I know there is time

I know there is time

I know there is time

I know there is time

 

 

 

Mantende-vos vigilantes, pois não sabeis quando chega o dono da casa (...).

S. Marcos, cap. XIII, vers. 35

 

 

A Síndrome de Hollande

 

   António José Seguro é hoje um homem tranquilo e sereno. António José Seguro reina incólume no Partido Socialista. Com a sua vitória de quase 100%, no último congresso do partido, António José Seguro arrumou a um canto todos os seus adversários. Dentro e fora do partido. Com essa vitória incontestável, António José Seguro deixou para trás os seus mais sérios rivais - António Costa e Francisco Assis. À volta de António José Seguro, imperam agora a paz e a concórdia. Os socráticos, e as suas adjacências, deixaram de ser fantasmas permanentes a ensombrar o António José Seguro. Os apoiantes de António José Seguro podem dormir descansados. Os seus lugares, e as suas posições, já não estão sob o escrutínio e a ameaça da oposição interna. Os socialistas independentes estão rendidos perante este novo António José Seguro. Os que apenas votam, e comentam, não estão convencidos, mas estão vencidos. Por ora, pelo menos. Desconfiam da moderação de António José Seguro, mas dão-lhe o benefício da dúvida. Não vêm com bons olhos a sua pose e o seu discurso fradescos, mas reconhecem que não existe, para já, no Partido Socialista, alternativa a António José Seguro. Pensam que as suas propostas são utópicas, mas, ainda assim, concedem em deixá-las passar.  Observam de soslaio a unanimidade, alcançada por António José Seguro, mas sabem que a democracia é o que é. O próprio José Sócrates, que, aquando do seu regresso à ribalta, chegou a ser visto como uma ameaça a António José Seguro, é agora um perigo afastado. José Sócrates, muito embora não mencione o nome de António José Seguro, nos seus comentários dominicais, na RTP, não o hostiliza. Não o antagoniza. Não o põe em causa. Não lhe dificulta a vida. Pelo contrário: José Sócrates apoia e aplaude o Partido Socialista e, implicitamente, o seu líder. José Sócrates mostra-se concordante com a táctica e com a estratégia do seu sucessor. Como homem inteligente, que é, e sendo muito provável a sua candidatura a Presidente da República, José Sócrates sabe que pode vir a precisar de António José Seguro, nessa e noutras emergências. Por isso e por muito mais, José Sócrates precisa de um Partido Socialista unido e coeso, em redor do seu líder. José Sócrates precisa de um António José Seguro disponível.

   Quanto ao mais, há que vigiar, ainda que à distância, o António José Seguro. Há que temperar os seus ímpetos de moderação. Há que recordar-lhe constantemente o património histórico e político do Partido Socialista, mesmo os mais recentes. Há que desviá-lo dos mais caminhos. Há que obrigá-lo a fugir dos consensos. Há que forçá-lo a verberar e abominar a austeridade. Há que exigir-lhe moções de censura contra o governo.

   De resto, tudo isso é o que António José Seguro tem vindo a fazer. Aliás, com resultados visíveis nas sondagens. António José Seguro começa a descolar. Tudo se conjuga para que António José Seguro venha ser o vencedor das próximas eleições. O descontentamento dos portugueses, perante a austeridade, e as sua medidas draconianas, é uma boa razão para escolher António José Seguro, nos próximos actos eleitorais.

   Há, no entanto, um pequeno contratempo a espreitar António José Seguro. Ou ele cumpre o que promete, ou seja, o fim da austeridade, e terá vários problemas - com a troika, com os mercados, com Angela Merkel, Wolfgang Schäuble e Jeroen Dijssenlbloem, que não lhe perdoarão tal heresia e o votarão ao ostracismo internacional e/ou, o que é pior, lhe fecharão a torneira dos financiamentos, e sofreremos todos com isso - ou ele não cumpre o que promete, isto é, o fim da austeridade, e terá na mesma vários problemas - agora, com os seus eleitores, com a oposição interna e externa, que não lhe perdoarão a quebra de confiança e o condenarão ao isolamento interno e a uma derrota nas eleições seguintes. Sair deste dilema vai ser um bico-de-obra para António José Seguro. Um bico-de-obra que lhe pode vir a custar o lugar de secretário-geral do Partido Socialista, substituído por António Costa ou Francisco Assis. Tudo indica que António José Seguro vai ter pela frente uma quadratura do círculo, digna da maior atenção. Aguardemos as cenas próximos dos capítulos.

 

 

Sou a luz do mundo. Quem me seguir, não caminhará nas trevas, mas terá a luz da vida. 

S. João, cap. VIII, vers. 12

 

 

FINAL FELIZ, NUMA PRAIA TROPICAL 

 

Os Condenados de Shawshank, (1994) um filme americano, do realizador Frank Darabont, é um conto de fadas dos tempos modernos. A fita até tem as suas fadas - uma fada má e três fadas boas. A fada má é a mulher adúltera que manda indirectamente o príncipe encantado, Andy Dufresne, para a cadeia. As fadas boas surgem em cartazes, e chamam-se Rita, Marilyn e Raquel. Estas contribuem, à vez e também indirectamente, para que o mesmo príncipe recupere a liberdade e voe para o sonho, numa praia tropical, ao pé do Oceano Pacífico. Aqui, rico e num final radioso, esse príncipe estará ao lado do amigo e ex-companheiro de cárcere.

 

 

P. S. A canção If I Didn't Care, na interpretação do agrupamento The Ink Spots, acompanha todo o genérico do filme Os Condenados de Shawshank. As sentenças bíblicas, acima transcritas, são citadas na mesma película.

 

 

 

 

CORRECÇÕES aos lapsos constantes do texto anterior, intitulado EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO AOS MERIDIONAIS DA EUROPA:

 

1º. parágrafo: (...) naquilo a que alguns chamam de década perdida.

 

5º. parágrafo: Ou mantende-vos na zona Euro (...).

 

6º. parágrafo: Até procedeis a manifestações de rua (...).

 

Wolfgang Schäuble, Carl Bosch

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

      

 

 

 

 

 

 

         

 

 

 

 

 

 

 

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por flagrantedeleite às 15:13
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.posts recentes

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. 19ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 18ª EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO...

. 17ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 16ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. ...

. 15ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 14ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds