Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

CORRENTE DE CONSCIÊNCIA (moderato cantabile)

    O génio é isto, caramba. Enquanto há vida, há lida. Enquanto há lida, há vida. Enquanto há vida, há esperança. Enquanto há esperança, há vida. Enquanto há. Enquanto. Enquanto o pau vai e vem, folgam as costas. Não precisamos dos aperitivos para nada. Nem dos digestivos. Achas que eu sou parvo? O Gaélico. A língua de Gael. Civilização. Sifilização. Liberalização. Iberização. Temos de arranjar um plano B. Onde param as patos-bravos? Vale o que vale. Missa pro defunctis. Eis senão quando. O sujeito saiu do avião, com a boca a salivar, e ainda a tempo de abichar um lugar de Embaixador na Patagónia. D. Branca. A banqueira do povo. Mostravam-se felizes porque o dia era longo. A casa é o que mais custa perder. Perde-se  o marido ou a mulher, e suporta-se. Perde-se o emprego, e aguenta-se. Perde-se o automóvel, e resigna-se. Mas a casa é o que  mais custa perder. A casa é o último reduto. O último refúgio. A nossa identidade. 25 de Novembro de 1975. Há uma grande falta de cultura fiscal entre os Portugueses. O mal é antigo. É salazarista. Eram uns poucos que pagavam pelos outros. A pobreza assim o exigia. E, também, para o que o Estado fazia, não era preciso muito mais. Todo fugia e ainda foge ao Fisco. O resto eram as isenções. As excepções. As deduções. Quem tem medo de Virginia Woolf? Quem tem medo de James Joyce? Quem tem medo de uma pessoa que eu cá sei? Por quem os sinos dobram. Estado de Guerra.

 

 

Non son degno di te

Non te mérito più,

Ma al mondo no, non existe nessuno

Che non ha sbagliato una volta.

 

E va bene cosi,

Me ne vado da te,

Ma quando la sera tu rasterai sola

Ricorda qualcuno che amava te

 

Sui monti di pedra

Puo nascere un fiore,

In me questa sera

È nato l'amore per te.

 

 

    Ah, Medina de Marraquexe! Setembro Negro. Queres ser bom aluno? Escolhe conveniente e cuidadosamente os teus pais. De outro modo, dificilmente chegarás lá. Uma certa esquerda rejeita esta verdade incontornável. Inquestionável. Por razões meramente ideológicas. E outros, por pura inveja. Para esses, a solução é nivelar por baixo. Que se lixe a ideologia. Que se lixe a inveja. Que se lixe o preconceito. Escolhe os teus pais, de preferência, financeiramente abonados, e instruídos. Pais que já tenham livros em casa. Decisão em causa própria. Juízes. Os subsídios de Natal e de férias. Obrigaram o governo a baralhar e a voltar a dar. Mal! Estamos nisto. Quem é que vai pagar a factura? O mexilhão. Como de costume. O bom senso é a coisa do mundo melhor partilhada, pois cada qual pensa andar tão bem provido dele que até os mais dificeis de em qualquer outra coisa contentar não costumam desejar mais bom senso do que aquele que já possuem. A rapariga ficou ali toda esparramada. Já foste. És a rainha da noite. A superioridade moral dos progressistas. A superioridade moral dos cultos. A superioridade moral dos que têm e leram Crime e Castigo. A superioridade moral dos que sabem quem é Leon Tolstoi. José Oliveira Costa: peço a Deus que me ajude a perdoar quem me ataca. No azulejo de uma taberna: desejo longa vida aos meus inimigos, para que possam assistir à minha vitória final. Mala de senhora. Mala de cartão. A Bela e o Monstro. Alice no País das Maravilhas. Fulgores prateados do luar. Kim Novak para Frank Sinatra, em Querido Joey. O que é que me fizeste enquanto eu dormia?! Antes de Frank Sinatra responder, um tipo, na plateia, que tinha uma paixão louca pela Kim Novak, gritou: Nada! Vi tudo! 

 

 

    ELI WALLACH. Pode um homem só desafiar uma multidão furiosa de sete magníficos? Claro que pode, se o homem for Eli Wallach. Pode um só enfrentar três gigantes inadaptados? Pode, sim, se o homem for Eli Wallach. Pode um homem só provocar a ira e a pontaria de um caçador de recompensas? Pode sempre, se o homem for Eli Wallach. Eli pôde tudo, e suspeita-se que o segredo estava no sorriso, ao mesmo tempo, cáustico e desesperado.

 

 

     O génio é isto, caramba. Um dia vieram buscar o meu vizinho, que era sindicalista. Como não sou sindicalista, não me incomodei. 5 de Outubro de 1910. As bombas-relógio da nossa crise. A Constituição. O Tribunal Constitucional. Que podem explodir em qualquer altura. Que podem explodir nas mãos de qualquer governo. Que já explodiram nas mãos deste governo. Armadilhas que a Grécia não tem. Nem a Espanha. Nem a Itália. Nem a Irlanda. Uma originalidade portuguesa. Mais uma. Uma coisa em forma de assim. Menino, o que é que tu queres ser quando fores grande? Quando eu for grande, quero ser reformado. Gato fora, rato à solta. Gato escondido com rabo de fora. Por favor, não pise a relva. É proibido fumar. É expressamente proibida a entrada a pessoas estranhas ao serviço. Reservado o direito de admissão. O Planeta Proibido. É proibido proibir. O Borda d'Água. O Almanaque. Mundo de Aventuras. Agência Portuguesa de Revistas. Plateia. Cavaleiro Andante. O Príncipe Valente. Mandrake. Kit Karson. Labor omnia vincit improbus.

 

 

Quis saber quem sou

O que faço aqui

Quem me abandonou

De quem me esqueci

Perguntei por mim

Quis saber de nós

Mas o mar

Não me traz

Tua voz

E depois do amor

E depois de nós

O adeus e ficarmos só

 

 

      O ajuste de contas longamente esperado. A via da circunvalação. A 2ª. Circular. Voltaram cabisbaixos e de crista caída. Aquele que está lá no alto. O Esposo Universal. O Grande Foco. Par deam Partulam et Pertundam nunc est bibendum! Parangonas. O livro póstumo. A obra póstuma. Ele sabe-as todas. O cerco ao Parlamento. Preparou-lhe o farnel. Just in case. Atrás irá a respectiva caixa. O Código Vermelho. Nunca se sabe. O indivíduo matou-se com um tiro nos cornos. E deixou um enorme vernáculo, ampliado, nos écrans de todos os computadores da sala. Foi a sua despedida. Com justa causa ideológica. Alea jacta est. Prosperity is just around the corner. Around the world in eighty days.     

 

   

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!

Ninguém me peça definições!

Ninguém me diga: "vem por aqui"!

A minha vida é um vendaval que se soltou.

É uma onda que se alevantou.

É um átomo a mais que se animou...

Não sei por onde vou,

Não sei para onde vou,

- sei que não vou por aí!

 

 

     O génio é isto, caramba. O sonho ao virar da esquina. A fotografia do telemóvel. Os dois negociadores. O sucesso estrondoso dos velhinhos. O sucesso dos cabelos brancos. Tudo por 500 milhões de euros. Para as empresas e para as famílias. PEC 4. O PEC dos nossos remorsos! Os relapsos. O génio de Beja. O génio de Vancouver. O génio dos pintelhos. Oh, Diabo! O governo foi ao ar! O multiculturalismo. Quem ventos semeia, colhe tempestades. Mais cedo ou mais tarde. Servidão Humana. Condição Humana. Tragédia Humana. Um pequeno país para berço e o mundo todo para morrer. O eremita. Os cavalos também se abatem. O sonho americano. Apotegma. Apoteose. Apótema. Apótese. Apoucamento. Traga-me uma cerveja Sagres e um cachorro quente sem maionese. Não temos maionese; pode ser um cachorro quente sem mostarda? Aqui para nós, que ninguém nos ouve. Só nós dois é que sabemos. Nem às paredes confesso. Fui bailar no meu batel/ Além do mar cruel/ E o mar bramindo/ Diz que eu fui roubar/ A luz sem par/ Do teu olhar tão lindo. O sonho ao virar da esquina. Benedicat vos omnipotens, Deus, Pater et Filius. Uma ignorante. Só sabe dizer banalidades! Conversas de chacha. Ele é de arromba. Um homem que foi educado, segundo os princípios da religião católica. Crise de identidade. Crise da meia-idade.  Incomunicabilidade. Preso incomunicável. O sujeito teve um desfalque. Deixou a mulher e os filhos pelas ruas da amargura. Falta de juízo. Mais vale absolver um culpado do que condenar um inocente. O tipo era um citador de frases. Ele soltava as sentenças, com o indicador direito apontado à testa. Meu tipo inesquecível. Mãe só há uma. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

    

publicado por flagrantedeleite às 12:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.posts recentes

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. 19ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 18ª EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO...

. 17ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 16ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. ...

. 15ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 14ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds