Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

CORRENTE DE CONSCIÊNCIA (interregno)

   Era uma vez um fabricante de urnas. Uma média de três por semana. O homem alimentava a família a caixões. Tábuas ligadas por pregos, e forradas a pano preto. Rápidos e baratos. Eram pancadas a meio da noite. Sinais da morte. Um outro sujeito alimentava a família a meias-solas. Um outro, a ponteiros de relógio. Um outro ainda, a agulhas de coser. Um outro ainda, a chumbos de imprensa. Um outro ainda, a copos de vinho. Um outro ainda, a funis. Eram só misérias.

 

      STANLEY KUBRICK E AS BANHEIRAS. Em Lolita, é mergulhado numa banheira que o Professor Humbert (James Mason) sofre pesarosamente a perda da mulher, e é dentro da mesma banheira que ele recebe, sem quaisquer rebuços, o casal de amigos que lhe vem trazer algum consolo; em Barry Lindon, é eroticamente sentada numa confortável banheira, do século XVIII, que a Lady Lindon (Marisa Berenson) aceita do marido (Ryan O'Neal) um beijo sensual de reconciliação; em Shining, é da banheira do misteriosos quarto 237, que sai uma bela mulher, nua e molhada, (Lia Beldan), para beijar sofregamente Jack Torrance (Jack Nicholson), transformando-se, de seguida, e ainda nos braços deste, numa velha decrépita, desdentada e pustulenta. 

 

   O génio é isto, caramba. Divorciada, e com um filho menor para criar. Velha demais para trabalhar e nova demais para me reformar. Já viu isto? Quando a esmola é grande, o pobre desconfia. Da boca do cano saíam para o mar imundícies líquidas. E, no ar, pairava invariavelmente aquela mistura fétida de esgoto e maresia. Nas tardes quentes de Verão, o fedor era ainda mais intenso. Mas os banhistas nem ligavam. Nem notavam. Estavam habituados. E conformados. E adaptados. E resignados. Os tipos falharam vergonhosamente o curso de sargentos-milicianos. Nem para isso serviram. Nem chegaram à Metrópole. Foram rejeitados pelo Exército colonial-fascista.  Regressaram curvados e de braços estendidos. Derrotados. Vencidos. Fazem lembrar os outros que emigraram. Estes voltaram como foram. Ou pior. Com uma mão à frente e outra atrás. Um cambada de falhados. De frustrados. De ressabiados. E depois vêm arrotar postas de pescada. Ou outra coisa qualquer. Escondem muito bem as mazelas. Já sei o que a casa gasta. Conheço as couves da minha horta. Proletários de todo o mundo, uni-vos!

 

O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?),

Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.

(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)

Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.

Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo

Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria

                                                                                                       [sorriu.

 

    O génio é isto, caramba. Faço votos ardentes para que estas linhas te vão encontrar de perfeita e óptima saúde. Eu e o teu pai estamos bem, na graça do Altíssimo. Querida, não dei por nada. A síndroma da Greta Garbo. Desapareceu da circulação, aos 35 anos de idade e no auge da fama. Um outro sujeito fez o mesmo. Aos 65 anos. Salvaguardadas as devidas distâncias e circunstâncias. Cada um faz o que pode, como pode, e quando pode. A cavalo dado não se olha o dente. 22 anos de uma vida. De trabalho. No duro. Sem faltar um único dia. E agora recebo um papel para o subsídio de desemprego. Já viu isto? O indivíduo não risca nada. É goela e mais nada. Não faças perguntas e não ouvirás mentiras. Ele assinou de cruz. Quem tem unhas toca guitarra.

 

She gets too hungry for dinner at eight

She likes the theater and never comes late

She never bothers with people she'd hate

 

That's why the lady is tramp

 

Doesn't crap games with barons and earls

Won't go to Harlem in ermine and pearls

Won't dish the dirt with the rest of the girls

 

That's why the lady is a tramp

 

She likes the free fresh in her hair

Life without care

She's broke and it's "oke"

Hates California it's cold and it's damp

 

That's why the lady is a tramp.

 

 

  O génio é isto, caramba. Deus fez a comida, o Diabo os cozinhados. Pato com laranja. No Regresso Vinham Todos. Com verdades me enganas. Engana-me que eu gosto. Bate-me que eu gosto. Homo sum, humani nihil a me alienum puto. No outro dia, vieram buscar o meu vizinho que era sindicalista. Como não sou sindicalista, não me importei. Quem diz o que quer, ouve o que não quer. Cozido, grelhado e estragado. A bebida mais parecida com o vinho. Os dois dias mais felizes na vida do dono de um barco. O fulano diz o que pensa e não pensa no que o diz. A falar, ele é um descuidado. A escrever, é um medricas completo. Sempre o foi. Não me peçam para dizer mal nem do céu nem do inferno. É que tenho amigos em ambos os lados. Os ricos que paguem a crise.

 

"Não venhas tarde", diz-me tu com carinho,

Sem nunca fazer alarde do que me pedes baixinho.

 

"Não venhas tarde", e eu peço a Deus que no fim

Teu coração ainda guarde um pouco de amor por mim

 

      O génio é isto, caramba. 22 anos. Uma vida! Desbaratada nesta empresa. E, no fim, dão-me um papel para o subsídio de desemprego. Já viu isto? Viver A Sua Vida. Quero Viver. Fúria de Viver. A Mulher Que Viveu Duas Vezes. Viver Em Paz. Maior do Que a Vida. Vida de Cão. Há mais vida para além do défice. Há mais défice para além da vida. No domínio do Estado Social, os governantes portugueses, mais recentes, ousaram o que Vasco Gonçalves nem sonhou.  Praticaram o que Álvaro Cunhal nem teorizou. Parturejaram o que Isabel do Carmo nem concebeu. Legaram o que Otelo nem previu. Diz-me lá os teus pecados, menino. Senhor padre, eu. E Deus Criou a Mulher.

 

Temos todos duas vidas:

A verdadeira, que é a que sonhamos na infância,

E que continuamos sonhando, adultos num substrato de névoa;

A falsa, que é a prática, a útil,

Aquela em que acabam por nos meter num caixão.

 

   O génio é isto, caramba. Toque de silêncio. Os sábios da Nação. Ela quer estar em todas. Num triângulo rectângulo, o quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos. 25 de Abril de 1974. Para ela, nunca haverá punição para os infractores, quando estes são pessoas com algum poder e influência. Para ela, essas pessoas safam-se sempre. Pomposo, roliço, Buck Mulligan, veio do alto da escada, trazendo uma tigela com espuma de barbear, na qual se cruzavam, em cima, um espelho e uma navalha. O roupão amarelo, solto, sustinha-o por detrás, gentilmente, a brisa suave da manhã. Ergueu a tigela e entoou:

- Introibo ad altare Dei.

A banqueira alimentar contra o apetite fez-se ouvir. Finalmente. Para asneirar. Mais valia estar calada. A sede de protagonismo é uma coisa que mete dó. Fernando Nobre, e outros da sua igualha, que o digam. Começam pela filantropia e acabam na ribalta. Às vezes, tristemente.

 

    FRED & GINGER. Fred Astaire começou a carreira de bailarino, muito cedo e ao lado da irmã Adele. Esta entretanto cansou-se e resolveu juntar os trapinhos com um nobre inglês, deixando o mano desconsolado e a dançar sozinho. O acaso de uma audição qualquer pôs Ginger Rogers nos braços de Fred Astaire, e colocou a dupla na rota do sucesso. Em 9 filmes. Mas, lá no fundo, a Ginger também não gostava muito da coisa. Ela nem sequer se dava ao trabalho de disfarçar o enfado. Via-se-lhe claramente na cara o aborrecimento. Além disso, A Ginger achava que as fitas eram desmioladas, e também não suportava que a estrela fosse sempre o Fred, e não ela. De resto, sentia-se talhada para voos mais ambiciosos: dramas e alta comédia. Aos quais se atirou, à primeira oportunidade, e de alma e coração. Com direito a Óscar e tudo. Só que, e apesar da estatueta marela, ninguém se lembra dela, em tragédias e comédias. Ginger é e será sempre recordada como Ginger, a eterna companheira de Fred, nos tais 9 filmes. Fellini que o diga.       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

      

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

    

 

 

    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

        

publicado por flagrantedeleite às 12:33
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.posts recentes

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. 19ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 18ª EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO...

. 17ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 16ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. ...

. 15ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 14ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds