Quinta-feira, 11 de Outubro de 2012

CORRENTE DE CONSCIÊNCIA (episódio 2)

           Senhor,

A teu pés me confesso:

           - Senhor,

Meu amor maltatrei!

           - Senhor,

Se perdão aqui peço,

          Não mereço!

          - Senhor,

Meu amor desprezei

          E pequei!

 

     O país dos brandos costumes está perdendo a paciência. O governo tem de explicar melhor as medidas. Se forem bem explicadas, as medidas, sejam elas quais forem, tornam-se mais aceitáveis. As malfeitorias, desde que bem explicadas, deixam de ser malfeitorias. Passam a ser benfeitorias. Pensamento positivo. Os nossos valores. Os nossos heróis. A Pátria não se discute. Resumindo: António José Seguro suspirou de alívio. Senhor Dr. Juiz, eu vinha a passar em frente ao clube nocturno, quando tudo aconteceu. Era perto da meia-noite. Ah, sim? Saiba o senhor que, a essa hora, eu dormia pacificamente em minha casa. Resumindo: a noite é um lugar perigoso. Resumindo: suspirámos todos de alívio.      

     

      OS MAL-AMADOS. 16 de Junho de 1904. O Bloomsday. Alexandre O'Neill disse que Portugal era "questão que trago comigo mesmo". James Joyce terá pensado, dito e escrito o mesmo acerca da Irlanda. Joyce tinha uma relação de amor-ódio com a Irlanda. Ele odiou tudo o que os seus compatriotas mais amaram e acarinharam: a independência da Irlanda, o Gaélico e a religião católica. É difícil haver maior abismo do que aquele que separou James Joyce dos Irlandeses. É isso que explica, em grande medida, o seu auto-exílio precoce, amargo, desencantado, definitivo. Exílio durante o qual Joyce escreveu Ulisses, a sua obra máxima, o seu Némesis, a sua lição magistral em língua inglesa. Contra Gregos e Troianos.

 

     O génio é isto, caramba. O Sporting está pela da hora da morte. Os gajos não se safam. Assim, eles não vão lá. O tipo deu a cara, o couro e o cabelo. Azeite puro de oliveira. 1 de Abril de 1944. O meu vinho é melhor do que o teu. O nosso vinho é o melhor do mundo. Aprecio mais o vinho industrial do que o caseiro. E as nossas praias, também. E as nossas gajas, também. Portugal está na moda! Modelação. Modulação. Moderação. Modificação. Monotorização. Modernização. Mitigação. Minimização. Suavização. Aliviação. Aviação. Para o bem e para o mal. Mais do mesmo. Ele tem uma agenda escondida. 19 de Março de 1942. Não há nada como a comida portuguesa. Exceptuando os fritos, os guisados e os assados. O que é que resta? Os pastéis de nata. Armaram um valente salsifré. África noutra banda. Em Almada. No Vale da Amoreira. E o Jeep? 16 de Novembro de 1975. Na Amadora. Mama suma! Não sou cego nem surdo. Ele é católico. Ele tem bom fundo. Ele tem preocupações sociais. E os não-católicos? Não tem preocupações sociais? É preciso esclarecer as coisas. E os protestantes? E os ateus? Dar a César o que é de César. A luta continua! Balsemão para a rua! 7 de Julho de 1973. Anda tudo à rasca. O buraco em que os Portugueses se meteram. O buraco orçamental. Um-banco-vendido-por-40-milhões-de-euros. Assim, também eu era banqueiro. Anda tudo aos saldos. Ao desbarato. Na pedincha. Na pechincha. Legionários, quem vive? Portugal, Portugal, Portugal. Legionários, quem manda? Salazar, Salazar, Salazar. Nas nossas ruas, ao anoitecer, Há tal soturnidade, há tal melancolia, Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia, Despertam-me um desejo absurdo de sofrer. O génio é isto, caramba. A Bem da Nação. E o romance que ela prometeu? Cala-te boca!           

 

        JOYCE, NORA E OS OUTROS. Alguém disse que o melhor epitáfio de James Joyce pertence à mulher, Nora Barnacle, semianalfabeta e ex-criada de servir, que, aliás, nunca leu os livros do escritor. Interrogada sobre como tinham sido as suas relações com as grandes figuras literárias, que conhecera através do marido, respondeu: quando se é casada com o maior escritor do mundo, não é possível recordar os outros.

 

    O génio é isto, caramba. Deus escreve direito por linhas tortas. Não me puxes pela língua. Isto vai acabar mal! O amor é uma cobiça que entra pelos olhos e sai pela rima. É só desgraças.

 

We'll meet again

Don't know where

Don't know when

But I know

We'll meet again

Some sunny day

 

Keep smiling thru

Just like you

Always do

Till the blue skies drive

The dark clouds

Far away

 

     Logo vi! Aquilo não podia vir só do escritório. Aquilo não era só advocacia. Eram luxos e ostentações a mais. O gajo era um simples funcionário público, e, da noite para o dia, ficou rico. De um dia para o outro, deixou o Estado e "ficou só com o escritório". Ele diz que tem muitas avenças. Ele é que diz? Quais avenças, quais carapuças! Avenças é o que todos dizem. Avenças, dou-lhe eu. Ele que vá enganar os anjinhos. Também andei no ramo, e, consequentemente, sei o que se passa. É tudo à peça, e é quando aparece. Há muito que as empresas andam na retranca. Mesmo no tempo das vacas gordas, as empresas já jogavam nas encolhas. Quanto mais, em tempos de vacas magras! Ele e o tio de Cascais têm uma grande história para contar. As avenças deles são outras. Avenças! Enquanto houver língua, ninguém morre à míngua. Que é feito da Rainha Santa Isabel de Cascais? Essa anda muito caladinha. Onde é que ela pára? A tipa já nao pede um governo de Salvação Nacional. Antes, convinha. Bom povo português! Soares é fixe. Olhe que não. O Homem é o único animal que. Não precisamos do sal para nada. É só para melhorar o paladar. Nem do açucar. Nem do álcool. Nem, nem e nem. Roubaram-me a carteira! Foi na carreira do eléctrico 28. Coitados dos turistas. O telefone retiniu. A superioridade moral dos comunistas. A superioridade moral da Esquerda. A superioridade moral dos vegetarianos. Gosto de filmes históricos. Gosto de queijo. Gosto do azul. Gosto de ler as aventuras de Sandokan. Gosto de ler as aventuras de Peter Pan. Gostava de reler A Marca dos Avelares. Gosto de. O Gostismo. Acho que. O Achismo. É minha opinião. O opiniãonismo. Não há dinheiro. A troneira secou. Não como carne vermelha. Agora só há gente de meia-leca. Já ninguém constroi. Pudera. Deu-lhe um apartamento em Cascais. A mulher nunca soube de nada. Pudera. O Tarzan do Quinto Esquerdo. Conhece o arguido? Um povo de invejosos e de caluniadores. o Império da Má-Língua. A galinha da vizinha é sempre melhor do que a minha. Quando o Mar Galgou a Terra. Quod non est in actiis non est in mundo.

 

Non ho l'età, non ho l'età per amarti

Non ho l'età per uscire sol a con te

 

E non a vrei, non a vrei nulla da dirti

Perchè tu sai molte più cose di me

 

Lascia chio viva una amore romantico

Nell'atesa che venga quell giorno ma ora no

 

Non ho l'età, non ho l'età per amarti

Non ho l'etá per uscire sola con te

 

Se tu vorrai aspertami

Quel giorno avrai tutto il mio amor per te

 

      O génio é isto, caramba. Os irmãos Costa. Uma mãe orgulhosa. Um pai orgulhoso, lá no céu. Somebody up there likes me. Caminho Aberto. O céu é o limite. O mais velho. Os espaços que estão abertos e em aberto. O da Feira Popular. O do Parque Mayer. O do hospital Júlio de Matos. O do hospital Miguel Bombarda. Hasta quando? O seu a seu dono. Uma coisa de cada vez. Manjar dos deuses. As sardinhas assadas. Em Portimão. Ao ar livre. A céu aberto. Nas montras de certos restaurantes, vêem-se os passarinhos, depenados e horrivelmente espalmados. Alguém os come? Ele é maçom. Estão de cama e pucarinho. Com certeza, senhor. Claro que sim, senhor. Sou todo ouvidos, senhor. É evidente que. É óbvio que. O gajo era um facho do camandro. O diabo que o carregue. Que a terra lhe seja pesada. O tipo parece uma alma penada. Atingimos a fadiga fiscal. As atitudes inacreditáveis dos Portugueses no tempo das vacas gordas. Pela arrogância, pela petulância, pela jactância. Exemplos? O fulano ia todo importante, no seu automóvel, e não esteve com meias medidas: avançou sobre os cães, pertencentes a uma velha, e atropelou dois ou três. Numa rua deserta de uma cidade. O sacana nem sequer parou. Outro exemplo? Em vez de aceitar um emprego, a tipa preferiu ficar a receber o subsídio de desemprego. E, ainda por cima, ameaçou o patrão com queixas às autoridades laborais. A sujeita era levada da breca. Mais um exemplo? Com a experiência e conhecimentos adquiridos, abriu o seu próprio negócio e passou a fazer concorrência ao ex-patrão. Na mesma rua. A fartura faz a bravura. Fiquei com a pulga atrás da orelha. Ao menino e ao borracho, Deus põe a mão por baixo. Sexo ao lado da necrologia. Haja respeito. Ao menos pelos mortos. Há mais impostos na calha? Estamos fritos! São provas meramente circunstanciais. Há couratos. Nem pensar!

 

Ó tempo, volta pra trás

Dá-me tudo o que eu perdi

Tem pena e dá-me a vida

A vida que já vivi

Ó tempo, volta pra trás

Mata as minhas esperança vãs

Vê que até o próprio sol

Volta todas as manhãs          

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por flagrantedeleite às 12:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.posts recentes

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. 19ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 18ª EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO...

. 17ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 16ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. ...

. 15ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 14ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds