Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2013

A SÍNDROME DE ZELIG

   Zelig é uma película do realizador norte-americano Woody Allen, e foi estreada em 1983. O filme é-nos mostrado através de um falso documentário, a preto e branco, e conta-nos as muitas aventuras e desventuras por que passa Zelig, um camaleão humano, ao longo dos anos 20 e 30 do século passado. E quem é Zelig, de facto? Leonard Zelig é um pobre diabo que se viu de repente catapultado para as primeiras páginas dos jonais, pelos piores motivos. Zelig é um caso invulgar de carência afectiva, levada ao extremo. Por necessitar imenso de ser amado e de ser adorado, Zelig é capaz de tudo. Zelig muda de personalidade e de identidade, conforme os momentos. Numa festa da alta-roda, Zelig parece ser um aristocrata e louva os milionários, quando fala com as celebridades. Fala com devoção, sobre Coolidge e o Partido Republicano, sempre com um sotaque da classe alta de Boston. Para surpresa de todos, uma hora depois, Zelig fala com o cozinheiro. Agora afirma ser democrata e o seu sotaque é grosseiro como se fosse do povo. 

   Zelig muda de discurso e de aparência, de acordo com as circunstâncias. Internado no Hospital de Manhattan, e sob a observação de dois médicos, Zelig torna-se um autêntico psiquiatra. Ao chegarem dois franceses, Zelig assume as suas personalidades e fala francês razoavelmente. Na companhia de um chinês, desenvolve feições orientais.

   Zelig metarmofoseia-se em tudo o que o rodeia: num super-obeso, quando se encontra no meio de dois homens muito gordos; num rabino, quando colocado entre dois judeus ortodoxos; num afro-americano, quando ladeado por dois negros retintos.

   Zelig surge nas situações mais improváveis: numa parada, em Nova Iorque, à direita do Mayor da cidade; na bênção, urbi et orbi, ao lado do Papa Pio XI; num comício nazi, em Munique, logo atrás de Hitler.

   A psiquiatra Eudora Fletcher, com quem Zelig se casará mais tarde, pergunta-lhe se se lembra de quando começou a imitar os que o rodeiam. Zelig responde que foi na escola. E que umas pessoas muito inteligentes lhe perguntaram se já tinha lido o Moby Dick. Teve vergonha de dizer que nunca tinha lido e mentiu, dizendo que sim.

   Além desta tendência mórbida e incontrolável, para o desdobramento da personalidade, e talvez só por isso, Zelig quer ser, parecer e aparecer, seja onde, quando e como for. Zelig quer ter protagonismo, à viva força. Zelig quer ser notícia, nem que seja por más razões.

   Há pessoas que foram percussores de Zelig. Pessoas que foram Zelig antes de este o ser. Pessoas que foram Zelig avant la lettre. Mas também existem pessoas que são herdeiros bem-sucedidos de Zelig. Pessoas que dominam, com maestria, a arte do mimetismo. Pessoas que querem aparecer, seja onde, quando e como for.

    É que o aparecer, de qualquer maneira, está-lhes na massa do sangue. Faz parte do seu ADN. Para aparecerem, se for preciso, põem-se em bicos dos pés. Se lhes for pedido, vendem a alma ao diabo. Se for caso disso, são capazes das maiores fraudes.

    Por definição, tais sujeitos são exímios coleccionadores de conhecimentos pessoais, importantes. Deliciam-se quando são apresentados a outrem. Entregam-se, sem hesitações, às práticas do convívio mundano, de preferência, selecto. Dedicam-se, sempre que podem, à errância pelo mundo.

   Com toda a certeza que alguém, pertencente a esta casta de gente, foi apresentado a Woody Allen, e foi seguramente esse alguém que lhe inspirou o Leonard Zelig. Com o Baptista da Silva deu-se o contrário: com toda a certeza, este se deleitou com o filme Zelig, e viu nesse personagem a sua alma gémea. E quem é o Baptista da Silva?

    Artur Baptista da Silva foi apresentado ao país com as seguintes credenciais: economista, quadro da ONU, consultor do Banco Mundial e professor numa universidade americana. Num fim-de-semana alucinante, ele foi tudo e ele fez tudo. Ele foi notícia nos jornais, na rádio, na televisão, na Internet. Ele deu entrevistas. Ele fez palestras. Ele tomou parte em mesas-redondas. Ele participou em debates. Ele assinalou as causas da crise. Ele apontou o dedo acusador. Ele indicou a terapêutica. Ele foi escutado com assombro e respeito. Ele deu as respostas que todos queriam ouvir. Ele legitimou todas as dúvidas. Ele reforçou todas as expectativas. Ele deu todas as esperanças. Ele aconteceu de facto em Portugal e já quase no fim do ano de 2012. Ele personificou tudo e todos em coisa de três dias. 

    Só que ele não passava de um cadastrado impenitente. Só que ele mais não era do que um refinado impostor. Só que ele ludibriou meio mundo e quase toda a Comunicação Social. Só que, num ápice, ele se esvaiu e se esfumou.

 

    De volta o filme Zelig, a história remata com o seguinte epílogo: Leonard Zelig e Eudora Fletcher viveram felizes muitos anos. Ela continuou a exercer psicanálise e ele dava conferências esporádicas sobre as suas experiências. As mudanças de personalidade de Zelig tornaram-se menos frequentes, até que desapareceram por completo. No seu leito de morte, Zelig disse aos médicos que tinha tido uma boa vida e que a única chatice de morrer é que tinha começado a ler o Moby Dick e queria saber como acabava.                  

 

 

 

 

 

 

          

publicado por flagrantedeleite às 13:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
30


.posts recentes

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. CADERNOS DO SUBTERRÂNEO (...

. 19ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 18ª EPÍSTOLA DE UM ALEMÃO...

. 17ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 16ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. ...

. 15ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

. 14ª. EPÍSTOLA DE UM ALEMÃ...

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Fevereiro 2017

. Outubro 2016

. Abril 2016

. Dezembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Agosto 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

blogs SAPO

.subscrever feeds